quinta-feira, 28 de março de 2013

PASSAGEM PARA A VIDA.

É tempo de Páscoa, a principail festa cristã, que comemora a ressurreição de Jesus Cristo. A festa tem origem na celebração judaica, mas possui um significado diferente. Enquanto para os judeus a “Pessach” (passagem) representa a libertação do povo de Israel do Egito, conduzida por Moisés, no cristianismo, a Páscoa celebra a ressurreição de Jesus Cristo, a passagem da morte para a vida eterna. Por esse motivo, relaciona-se a data a elementos que representam a vida, como o ovo e o coelho. 

Símbolos - Por serem animais com capacidade de gerar grandes ninhadas, os coelhos tornaram-se símbolos de fertilidade e, portanto, muito adequados para representar nascimento, vida. Também simbolizam a capacidade da Igreja de produzir novos discípulos constantemente. A figura do coelho da Páscoa foi trazida para a América pelos imigrantes alemães, entre o final do século XVII e início do XVIII.
Assim como os coelhos, os ovos, de onde nascem filhotes de várias espécies, também representam a vida. Os antigos cristãos do Oriente costumavam presentear seus amigos, na Páscoa, com ovos decorados, pintados à mão. O costume se difundiu com o cristianismo, chegou a Europa e às Américas. Com o tempo, os ovos passaram a ser recheados com pequenas guloseimas, até chegar aos ovos de chocolate, no início do século XX.
A cruz traduz, ao mesmo tempo, sofrimento e ressurreição. O pão e o vinho representam o corpo e o sangue, dados aos discípulos na última ceia para celebrar a vida eterna.
Data móvel - Em 2013 a Páscoa chega um pouco mais cedo, dia 31 de março. Você já deve ter reparado que, em cada ano, a festa da ressurreição cai em um dia diferente. Por quê? É que Páscoa é uma festa de origem judaica. Para marcar suas festas, os judeus usavam o calendário lunar. No Ocidente, usa-se o calendário solar. Por isso a variação de datas.
No primeiro Concílio cristão (Nicéia, 325), a Igreja manteve como critério para marcar a data de Páscoa o calendário lunar. A ressurreição de Cristo é celebrada, portanto, no primeiro domingo após o aparecimento da lua cheia que seguir ao equinócio de primavera do Hemisfério Norte, geralmente em 21 de março, sendo obrigatoriamente entre 22 de março e 25 de abril. No Hemisfério Sul, nesta época, é equinócio de outono.

Comércio se apropria da celebração.
Os principais símbolos da Páscoa (ovo e coelho) acabaram, com o tempo, sendo distorcidos de seu real significado religioso, principalmente nas grandes cidades, onde o comércio apropria-se da data para faturar, da mesma forma que ocorre com o Natal. 
Não há nada de mal em agradar as crianças com chocolates de Páscoa. Mas é bom lembrar que a data não serve apenas para degustar tão apreciada guloseima. Trata-se de uma importante celebração religiosa, que não deve ser substituída pelo simples consumo de doces. As crianças também devem ser orientadas sobre o verdadeiro sentido da data.

SAI DA TUA TERRA E VAI...

Se a vida é vocação, com certeza, é também pro-vocação. Nossos mecanismos naturais tendem, espontaneamente, a nos acomodar. Desde o ventre da mãe, se a criança gerada pudesse optar, preferiria permanecer na dependência do cordão umbilical e na proteção segura daquele espaço que a concebeu e no qual foi sendo gestada. 
A primeira grande provocação da vida é a passagem do parto. Ali se rompem as seguranças imediatas e passa-se para o desconhecido, a um outro ventre sem limites e surpreendente. Na aventura do novo mundo a pessoa começa o grande caminho no cenário das mais diversas e surpreendentes provocações.
É normal, na primeira etapa da vida, a dependência do permanente receber. Faz parte do direito da criança ser egocêntrica. Porém, à medida que se cresce também são necessárias doses de provocação, para que as etapas evolutivas da vida não fiquem estagnadas na infância. Não há situação mais desconfortável do que imaginar-se uma criança grande, ou conviver com adultos infantis.
A medida diária das provocações precisa ser bem dosada para não comprometer ou queimar etapas. Na realidade, se há adultos crianças, há crianças adultas, antes do tempo, que passam o resto da vida insatisfeitas por não terem vivido sua infância. Creio que o amor verdadeiro sempre encontra a justa medida das provocações na hora certa. Ouso afirmar que são preferíveis mais e maiores provocações do que acomodações no meio de panos quentes da superproteção.
Se analisarmos as grandes vocações bíblicas, como a de Abraão, pai da fé, a de Moisés, dos profetas, e de Maria, percebemos nitidamente que na vocação que Deus confiava estava uma grande provocação: “Sai da tua terra e vai...” (Gn 12,1). “ Eu vi a opressão do meu povo no Egito, ouvi o seu grito de aflição... E agora, vai!” A essas provocações de Deus, brotam as reações e resistências dos chamados. Um se diz gago; outro, criança, Maria não entende e questiona... Enfim não parece ser próprio do “gostar” o sentir-se provocado.
Deixar-se provocar é crescer! Evidentemente, este tipo de provocação não pode ser confundido com a provocação que brota da sedução mórbida, de quem busca explorar a outra pessoa; menos ainda, a provocação de quem incita uma briga para manifestar valentia. A provocação aqui 
mencionada é aquela que nos desafia à 
superação, à missão e ao despertar de dons 
adormecidos que habitam em nós.
Como faz bem para a pessoa ouvir expressões como: “Você pode! Você tem capacidades! Não desista de perseguir seus objetivos e sonhos! Coragem!” Além de uma palavra, é importante um gesto de apoio, um colocar-se ao lado para oferecer o ombro amigo e favorecer oportunidades de promoção e crescimento.
Evidentemente, além da provocação que as pessoas e situações podem nos fazer, também é importante deixar-se provocar por Deus, que nos confia seus dons, e pelo dinamismo de nossa liberdade responsável. Por fim, teremos a grande provocação do segundo parto,para a eternidade, diante da qual não há como desculpar-se e nem fugir.

CUIDADOS EVITAM INTOXICAÇÕES

Com a aproximação da Páscoa, em 31 de março, a presença de peixes e chocolates tradicionalmente aumenta na dieta dos brasileiros. Para evitar complicações de saúde, o consumidor deve tomar cuidados desde o momento da compra até o preparo dos alimentos. Ações simples, como observar se os ovos de Páscoa estão armazenados em locais frescos e arejados e se as embalagens não têm furos ou amassados, podem evitar contaminações e infecções alimentares indesejadas. “É a embalagem que protege os ovos de chocolate de insetos e de contaminação”, reforça o biomédico Roberto Martins Figueiredo.
Ao optar por ovos, bombons ou colombas de fabricação caseira, o consumidor deve solicitar degustação do produto antes da compra. Os fornecedores de produtos artesanais devem seguir as mesmas regras de comercialização dos industrializados. Outro ponto que deve ser conferido é a consistência do ovo de Páscoa. “Se o chocolate amolece, ocorre a separação da gordura e ele acaba adquirindo coloração esbranquiçada e odor desagradável”, alerta o especialista.

Peixes – Para os congelados, a dica é verificar se estão firmes e sem sinal de descongelamento. “Gelo ou muita água indicam que o balcão foi desligado ou teve sua temperatura diminuída temporariamente”, ensina Figueiredo. O produto congelado deve ser conservado a temperaturas inferiores a -18 graus. O resfriado, abaixo de zero grau.
Nos peixes frescos, deve-se checar se estão úmidos, firmes e sem manchas. “Veja se a barriga está firme à pressão dos dedos, os olhos brilhantes e salientes e as escamas bem presas ao corpo”, aconselha. “Evite comprar peixes em postas ou filés, pois nessas condições não é possível avaliar as caraterísticas de boa qualidade do produto”, conclui Figueiredo.

LIBERADO PARA O JANTAR

Quem já não recusou um saboroso prato de espaguete ao sugo no jantar baseado na teoria de que, à noite, carboidrato engorda ainda mais? Aos que devoram-no, a cobrança por não ter resistido! Pois, agora, não só o espaguete, mas também os pães, o arroz, os biscoitos estão liberados. É a redenção do carboidrato! Isso porque pesquisadores da Universidade Hebraica de Jerusalém, em Israel, descobriram que, no dia seguinte ao consumo noturno do carboidrato, os níveis de leptina, hormônio que diminui o apetite, sobem; ao mesmo tempo em que não ocorrem picos de grelina, o hormônio da fome. 
Para desvendar o que acontece com a saciedade e saúde de quem come carboidratos à noite, os pesquisadores acompanharam 78 voluntários acima do peso. Todos receberam a mesma dieta, de aproximadamente 1.500 calorias, bem equilibrada e adequada à quem deseja perder peso, composta por 20% de proteínas, de 30 a 35% de gorduras e de 45 a 50% de carboidratos. A diferença crucial foi que, enquanto um grupo podia distribuir a porção de carboidrato livremente durante todo o dia, o outro concentrava o consumo desse nutriente no jantar. 
Passados seis meses, todos perderam peso; em média, dez quilos. Mas isso era esperado pela composição calórica da dieta. A surpresa ficou por conta da mudança no padrão de secreção hormonal dos que ingeriram carboidratos apenas à noite. A leptina, que diminui o apetite, subiu durante o dia; e a grelina, que desencadeia a sensação de fome, diminuiu. A vantagem é que se a pessoa emagrece e, ao mesmo tempo, sente menos vontade de comer, as chances de ela manter a dieta são maiores.
A pesquisa derrubou o mito de que não se deve comer carboidrato à noite, sob pena de engordar. O que favorece o aumento de peso é a ingestão exagerada de calorias, a alimentação desequilibrada e o sedentarismo.
Outro benefício do consumo de carboidratos no jantar, constatado na pesquisa, é a elevação dos níveis do hormônio adiponectina, que favorece a ação da insulina, ou seja, o aproveitamento da glicose pelas células, reduzindo o risco de diabetes. 
Este mesmo hormônio exerce efeito anti-inflamatório, portanto, ter boa quantidade dele circulando pelo organismo beneficia todos os órgãos que sofrem com a inflamação decorrente da obesidade, como cérebro, coração, fígado. Neste aspecto, a proteína C-reativa também merece créditos. Esse indicador do estado inflamatório caiu quase 28% no grupo que aderiu aos carboidratos durante o jantar. Entre os outros voluntários, a redução foi de apenas 5,8%. Hoje, a proteína C-reativa é um dos principais marcadores associados a doenças cardiovasculares. 
As taxas do bom colesterol (HDL) subiram nos voluntários adeptos do carboidrato à noite. O colesterol ruim (LDL) e os triglicerídeos diminuíram em todos os voluntários, possivelmente pela perda de peso. A melhora desses parâmetros, segundo os médicos, é bem-vinda para o estado geral de saúde do indivíduo. A perda de gordura estocada na região da cintura é uma das principais patrocinadoras de todos os benefícios observados nos voluntários da pesquisa. Nessa região são produzidas uma série de hormônios. Sabe-se que a gordura abdominal tem relação até com o câncer, mas isso não foi objeto de estudo dos israelenses.
A novidade, porém, não dispensa a moderação na hora de alimentar-se. Abusar dos carboidratos nas refeições induz justamente o oposto dos benefícios citados, começando pelo ganho de peso. A boa notícia, agora, é que ninguém precisa dispensar a macarronada do jantar para se manter magro e saudável.

A DOR DO AMOR.

O amor dói, mas a paixão dói muito mais. Há feridas que nascem do amor sincero e bonito, mas há feridas que ardem porque vieram da loucura ou do ódio. As feridas que Jesus suportou por amor foram causadas pela violência e pelo ódio fanático. Jesus morreu levado pela compaixão, mas quem o matou o fez por paixão religiosa e política.
Foi fanatismo. Os judeus sérios não aceitaram ontem como não aceitariam hoje aquela farsa, da mesma forma que cristãos sérios não admitem que se negue a dor dos judeus. Por isso o papa puniu um bispo que ousou negar a extensão do Holocausto. A dor daqueles judeus da Europa foi paixão e foi dor como a de Jesus. 
As dores da paixão têm, de um lado, os crucificadores; do outro, os crucificados. Há o que condena e prega na cruz tanto o culpado punido quanto o inocente, cruel e covardemente assassinado. Não vale o raciocínio de que o crime dos guerreiros dos outros é contra a humanidade e o dos nossos guerreiros é autodefesa. Se o outro torturou, não há anistia para ele. Quando o assassino de lá vira vilão e o de cá vira herói acuado que teve que matar, a verdade entra em colapso.
Jesus foi morto porque falou. Honremo-lo. Honremos os que morreram sem matar e deram a vida sem tirar vida alguma. Talvez não tenham criado uma nação, mas semearam mais esperança. E sem esperança, não há nação que resista.

FRANCISCO: PARA RESTAURAR A IGREJA

Nas redes sociais havia anunciado que o futuro papa iria se chamar Francisco. E não me enganei. Por que Francisco? Porque São Francisco começou sua conversão ao ouvir o crucifixo da capelinha de São Damião lhe dizer: “Francisco, vai e restaura a minha casa; olhe que ela está em ruínas” (S. Boaventura, Legenda Maior II,1).
Francisco tomou ao pé da letra estas palavras e reconstruiu a igrejinha da Porciúncula que existe ainda em Assis, dentro de uma imensa catedral. Depois entendeu que se tratava de algo espiritual: restaurar a “Igreja que Cristo resgatara com seu sangue” (op. cit). Foi então que começou seu movimento de renovação da Igreja que era presidida pelo papa mais poderoso da história, Inocêncio III. Começou morando com os hansenianos e de braço com um deles ia pregando o evangelho em língua popular e não em latim. 
É bom que se saiba que Francisco nunca foi padre, apenas leigo. Só no final da vida, quando os papas proibiram que os leigos pregassem, aceitou ser diácono à condição de não receber nenhuma remuneração pelo cargo.
Por que o cardeal Jorge Mario Bergoglio escolheu o nome de Francisco? A meu ver foi exatamente porque se deu conta de que a Igreja está em ruínas devido a escândalos que atingiram o que ela tinha de mais precioso: a moralidade e a credibilidade.
Francisco não é um nome. É um projeto de Igreja, pobre, simples, evangélica e destituída de todo o poder. É uma Igreja que anda junto com os últimos; que cria as primeiras comunidades de irmãos que rezam o breviário debaixo de árvores junto com os passarinhos. É uma Igreja ecológica que chama a todos os seres com a doce palavra de “irmãos e irmãs”. Francisco se mostrou obediente à Igreja dos papas e, ao mesmo tempo, seguiu seu próprio caminho com o evangelho da pobreza na mão. Escreveu o então teólogo Joseph Ratzinger: “O não de Francisco àquele tipo imperial de Igreja não poderia ser mais radical, é o que chamaríamos de protesto profético” (em Zeit Jesu, Herder 1970, 269). Ele não fala, simplesmente inaugura o novo.
Creio que o Papa Francisco tem em mente uma Igreja assim, fora dos palácios e dos símbolos do poder. Mostrou-o ao aparecer em público. Normalmente os papas punham sobre os ombros a mozeta, aquela capinha cheia de brocados e ouro que só os imperadores podiam usar. O Papa Francisco veio simplesmente vestido de branco. Três pontos são de ressaltar em sua fala inaugural e são de grande significação simbólica.
A primeira: disse que quer “presidir na caridade”. Isso desde a Reforma e nos melhores teólogos do ecumenismo era pedido. O papa não deve presidir como um monarca absoluto, revestido de poder sagrado como o prevê o direito canônico. Segundo Jesus, deve presidir no amor e fortalecer a fé dos irmãos e irmãs.
A segunda: deu centralidade ao Povo de Deus, tão realçada pelo Vaticano II e posta de lado pelos dois papas anteriores em favor da hierarquia. O Papa Francisco, humildemente, pede que o Povo de Deus reze por ele e o abençoe. Somente depois, ele abençoará o Povo de Deus. Isto significa: ele está aí para servir e não para ser servido. Pede que o ajudem a construir um caminho juntos. E clama por fraternidade para toda a humanidade onde os seres humanos não se reconhecem como irmãos e irmãs, mas atados às forças da economia.
Por fim, evitou toda a espetacularização da figura do papa. Não estendeu os braços para saudar o povo. Ficou parado, imóvel, sério e sóbrio, diria quase assustado. Apenas se via a figura branca que olhava com carinho para a multidão. Mas irradiava paz e confiança. Usou de humor falando sem uma retórica oficialista. Como um pastor fala aos seus fiéis.
Cabe por último ressaltar que é um papa que vem do “grande sul”, onde estão os pobres da humanidade e onde vivem 60% dos católicos. Com sua experiência de pastor, com uma nova visão das coisas, a partir de baixo, poderá reformar a Cúria, descentralizar a administração e conferir um rosto novo e crível à Igreja.

BRASIL: QUASE 6 MILHÕES DE DEPENDENTES DO ÁLCOOL

O Brasil tem 5,8 milhões de pessoas dependentes de álcool. Número foi detectado pelo Levantamento Domiciliar sobre o Uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil, de 2005. O tratamento não é fácil: dura pelo menos um ano e meio em sua fase mais intensiva e tem índice de recaída de cerca de 50% nos primeiros 12 meses.
Histórico de consumo abusivo, síndrome de abstinência e manutenção do uso, mesmo com problemas físicos e sociais relacionados, formam o tripé que caracteriza a dependência em álcool, segundo a psiquiatra Ana Cecília Marques, professora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). “Ele precisa preencher os três critérios. Um só não basta para se considerar dependente”, destaca a psiquiatra. Ela explica que o consumo contínuo e abusivo leva a uma tolerância cada vez maior do usuário à bebida. “O corpo acostuma-se com o [álcool]. Ele resiste mais e, para obter o efeito que tinha no começo com uma lata de cerveja, precisará tomar cinco”. A falta do álcool provoca uma série de sintomas graves, como elevação da pressão arterial, tremores, enjoo, vômito e, em alguns pacientes, até mesmo convulsão. Esse é o quadro da síndrome de abstinência.
Em relação às outras drogas, a psiquiatra informou que o tratamento da dependência de álcool se diferencia principalmente na primeira fase, que dura em média dois meses. “Cada substância tem uma forma de atuar no cérebro, portanto, vai exigir, principalmente na primeira fase do tratamento, diferentes procedimentos farmacológicos para que a gente consiga promover a estabilização do paciente”, explica. Levantamento feito em 2005 pelo Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid), da Unifesp, e pela Secretaria Nacional Antidrogas (Senad), mostra que o uso do álcool prevalece entre os homens em todas as faixas etárias. Mais de 80% deles declararam fazer uso de álcool. Entre as mulheres, o percentual cai para 68,3%.
No que diz respeito à dependência, eles também estão na frente. O índice de dependentes do sexo masculino (19,5%) é quase três vezes o do sexo feminino (6,9%). A faixa etária de 18 a 24 anos, por sua vez, apresenta os maiores índices, com 27,4% de dependentes entre os homens e 12,1% entre as mulheres.

PODEMOS VIVER SEM PETRÓLEO, MAS SEM ÁGUA NÃO

O Estado de São Paulo – onde está o maior contingente da população consumidora do país – possui apenas 1,3% do total da água doce existente no território brasileiro. A Sabesp faz o que pode para reduzir a perda. O que a estatal pode fazer é muito em termos de economia, mas ainda é pouco diante da magnitude do problema. 
Segundo dados da Unesco, o consumo de água no planeta aumenta cerca de sete vezes a cada cinco anos. Dos atuais sete bilhões de habitantes da terra, mais de um bilhão vive sem acesso à água potável. Um quilo de arroz demanda mil litros de água para ser produzido. Um quilo de carne, 13 mil litros. Não está na hora de reverter a situação e preservar esse recurso finito em tempos conturbados? 
Nos condomínios, o pagamento da conta de água e esgoto responde pela segunda maior despesa ordinária, superada apenas por mão de obra e encargos. Representa quase 15% da cota mensal. Mesmo assim, há perdas em quase todos os conjuntos residenciais e comerciais. Se continuar o consumo desmedido, água e esgoto logo serão a primeira das despesas ordinárias. 
Não é fácil abrir mão de um conforto tão arraigado em nosso dia a dia. Não acontece somente com a água. Estamos sentindo como é difícil abrir mão das sacolas plásticas distribuídas nos supermercados. Nunca é demais lembrar a importância de escovar os dentes e lavar a louça com a torneira sob controle. Que tal um banho mais rápido? Parece pouco mas não é porque cada gota fará a diferença. 
O Dia Mundial da Água comemorado em 22 de março está chegando. Quem se importa? O homem civilizado considera a água um bem hereditário, o que na verdade ela é. Mas esse bem hereditário não vai resistir ao consumo abusivo por um tempo ilimitado. Assim como não conseguimos sequer renunciar às sacolinhas de plástico nos supermercados, muito menos conseguimos renunciar ao conforto e à magia da água. Ela é a nossa mãe terra. É um item de lazer visceralmente ligado à vida no planeta, com ou sem civilização. Somos atualmente sete bilhões de vidas humanas no globo e a água tem de sustentar um nível de consumo nunca antes visto na história. 
Vamos repetir: o Dia Mundial da Água está chegando. O poder público deveria se mobilizar para a grande data, colocando em sua propaganda um vigoroso alerta tipo luz vermelha. A data é importante, mas a mobilização não deve ser apenas sazonal. Precisa durar o restante do ano. Podemos sobreviver ao fim do petróleo, mas não ao da água. 

UMA BARULHEIRA DOS INFERNOS


O grande sonho da vida de um velho amigo meu era sair do aluguel e morar em casa própria. Já depois de ter passado dos 60, e trabalhando em três empregos, conseguiu comprar o apartamento no prédio que ele e sua mulher cobiçavam há tempos, no lugar em que pretendiam passar o resto de seus dias.
O apartamento estava detonado, mas o casal se dedicou de corpo e alma para reformá-lo do jeito que eles queriam, escolhendo os materiais e caprichando em cada detalhe. Seis meses depois, mudaram-se para o lar doce lar.
Não demorou muito tempo, começou também uma "reforma da fachada" planejada há tempos pelo condomínio. "Vai valorizar muito o imóvel", garantiram-lhe os integrantes da "comissão de obras" montada especialmente para este fim.
Faz quase três anos, e a obra ainda não terminou. "O estádio do Corinthians vai ficar pronto antes", ironizam os vizinhos dele, como se as vítimas não fossem elas próprias, entregues indefesas ao barulho, à poeria e a toda sujeira da interminável obra.
Como não acreditei no que ele me contava sobre a sua odisséia a cada vez que o encontrava, convidou-me a passar um dia em seu apartamento. Além da reforma da fachada, havia também uma obra no andar de cima.
Saí de lá quase surdo, com um zumbido no ouvido, sem parar de tossir. Espalhado pelo prédio, havia todo um arsenal de  britadeiras, maquinas, furadeiras, marretas, serras elétricas de todo tipo, um cenário de pós-guerra no Oriente Médio.
Só então entendi porque o amigo andava tão deprimido, cansado, reclamando que não suportava mais aquilo. Era, de fato, desumano, principalmente para alguém como ele, que passava a maior parte do tempo trabalhando em casa.
Não conseguia mais dormir direito, mal se alimentava e estava cada vez mais difícil escrever os textos  do seu ofício que antes fluíam com a maior facilidade. Já tinha passado por vários médicos, psiquiatras e neurologistas, mas sua saúde só piorava a cada dia, tirando-lhe a alegria de viver.
Sentia-se como um condenado à tortura perpétua dentro da sua própria casa. Quando perguntou ao síndico quanto tempo ainda duraria aquele inferno, ouviu dele um cínico conselho. "Não sei, mas por que voce não vai passar alguns dias numa pousada no interior?"
Sim, uma bela ideia, se o amigo fosse um aposentado bem remunerado, que não precisasse mais se preocupar em ganhar o dinheiro necessário para pagar suas contas no final do mes, inclusive a taxa de condomínio e de obras.
Eu mesmo ando incomodado com os muitos barulhos da cidade, a cada dia mais intensos, sem saber o que é pior: ficar em casa ou enfrentar o trânsito também infernal.
Vão-se multiplicando as "festas no apê" dos vizinhos, verdadeiras raves sem hora para acabar, com as caixas de som fazendo trepidar as paredes. Nos fins de semana, são os cachorros abandonados por seus donos uivando sem parar.
Acho que é por isso que todo mundo está ficando meio surdo. Ou será só um problema meu e do meu amigo?

quarta-feira, 27 de março de 2013

SENTIMENTO DE CULPA

A culpa e o sentimento que a acompanha são devastadores. Tiram horas de sono, fazem perder a concentração, trazem lembranças contínuas, deixam o coração apertado, a mente inquieta. Ora, se há culpa, houve algo de errado. Se houve uma falha deve-se carregar essa culpa. Bem, em partes.Veja antes se você se identifica com uma dessas frases:
“Eu não deveria ter dito isso para ... (meu pai, minha mãe, meu irmão, minha amiga ...)”"Eu deveria ter tomado esta atitude antes...(agora estou sofrendo as consequencias...)" 
“Por que não dei o devido valor para... (minha namorada, meu marido, meu amigo,...)”
“Por que fui fazer aquilo? ( agora estou sem emprego, perdi um amigo, estou pagando...)”
“Eu deveria ter pensado antes... (de agir, de dizer, de fazer, de decidir...)”
“Agora já é tarde demais...(não vou ter outra oportunidade, isso não vai voltar, perdi...)”
“Era para eu estar junto naquela hora... (quando meus avós estavam doentes, quando meu filho deu os primeiros passos, nas bodas de meus pais, quando surgiu aquela situação...)”
A lista pode ser interminável, mas é suficiente para mostrar que no decorrer da vida, erros são recorrentes e os sentimentos de culpa, consequentes. Entretanto, se não tomar cuidado, o sentimento de culpa pode envolver-lhe numa atmosfera absurdamente negativa, repleta de dor, angústia e depressão. Olha o perigo.
O sentimento de culpa é importante, pois aponta o grau dos princípios morais e éticos que carrega consigo, além de demonstrar o quanto as virtudes se fazem presentes em teu caráter, entre elas, o arrependimento, a empatia e o amor. Pessoas insensíveis, de má índole, não possuem sentimentos de culpa. São frias por natureza. Pessoas do bem se ferem ao ver ferir alguém. Se lamentam quando fazem algo de errado, mesmo inconscientemente.
Todavia, não se deve ficar remoendo tal sentimento. Antes, se deve tomar ações positivas, sinceras e pró-ativas de arrependimento. Machucou alguém? Peça desculpas. Cometeu um ato impensado em casa ou no trabalho? Tente reverter. Já é tarde? Então carregue esse aprendizado, respire e olhe para frente, procurando não mais cometer o mesmo erro. Não se prenda a esse ciclo tortuoso. Avance! Carregue consigo o desejo de não mais errar e com certeza os erros diminuirão

PAPA TROCA COBERTURA PALACIANA POR RESIDÊNCIA MODESTA


pope1234
O papa Francisco decidiu trocar o imenso apartamento papal no piso superior do Palácio do Vaticano em favor de uma residência modesta de dois quartos. Seu porta-voz disse que ele estava “experimentando este tipo de vida simples” em um edifício comum, com outros sacerdotes.
Ao fazer isso Francisco quebrou uma tradição que tem mais de um século. Desde o papado de Pio X, no início do século 20, todo papa ocupava o apartamento de cobertura do palácio, com mais de uma dúzia de salas, quartos para a equipe, um terraço e vista extensiva sobre Roma.

terça-feira, 26 de março de 2013

UM BRINDE AO MINEIRO CARIÓCA


A boa notícia para o PSDB é que o partido enfim se livrou de Serra como candidato à presidência.
A má é que o substituto é Aécio.
Em tempos que exigem conduta espartana, para não dizer franciscana, Aécio projeta a imagem do playboy para o qual a prioridade são as festas e a capital eterna é a noite carioca.
Foi na volta de uma daquelas festas que ele se recusou a se submeter ao bafômetro. Mais recentemente, um vídeo o pilhou cambaleante dando uma gorjeta de 100 reais a um balconista no Rio.
Por essas coisas, e muito mais, visão social, para ele, parece estar mais ligada às colunas sociais do que aos problemas do povo.
Ele vai conseguir mudar essa imagem até as eleições? Tentará?
O PSDB precisa de um choque de renovação: ideário novo, pregação nova, prática nova.Nomes novos.
Num paralelo para o qual peço licença, a Igreja Católica precisava – precisa – das mesmas coisas.
E eis que surge o Papa Chico, andando de avião na classe econômica para o Conclave, e já como papa pegando o telefone para cancelar, ele mesmo, os jornais que reservava numa banca em Buenos Aires. E falando o óbvio: o maior problema do mundo é a desigualdade social.
Mas a vida é o que é, e a novidade tucana é Aécio.
Um brinde, então, ao mineiro carioca.

segunda-feira, 25 de março de 2013

A AMIZADE E SUA IMPORTÂNCIA.

Amigo é o irmão ou parente que escolhemos. Amigo é quem se dá, se entrega, que respeita, que está de prontidão para nos ajudar: seja com uma palavra de carinho, seja com advertência ou repreensão. Amigo quer o bem. Emana o bem.

A palavra amizade vem do latim “amicitate”, que significa relacionamento amistoso ou reciprocidade de afeto. Reciprocidade de afeto...

Quem é amigo não quer algo em troca de um favor. Na verdade, talvez o único favor que ele venha a querer é que continuemos evoluindo, crescendo, sendo felizes, ver-nos completos. Ser amigo é trocar idéias, expor sentimentos, é estar sempre disposto a ouvir sem necessariamente dar razão.

Amizade é para toda a vida. Amizade é eterna. Os laços de amizade se perpetuam mesmo estando a longas distâncias ou há anos sem se falar, sendo rapidamente aquecida, renovada, fortalecida. A amizade rompe barreiras, quebra paradigmas, dá de ombros para as diferenças, sejam elas sociais, raciais ou religiosas.

Amizade é poder dar e receber carinho. Dar e receber atenção. Amizade vai além de um simples convívio. Ela requer entrega. Uma entrega que não nos esgota. Amizade é poder compartilhar bons e maus momentos. É tal como um casamento: na alegria e na tristeza, na saúde e na enfermidade, faça chuva, faça sol...

Talvez, nesse momento, você ou alguém que conhece, esteja se sentindo só, sem amigos. Mas, guarde isso: nunca se estará só, sempre um AMIGÃO lá de cima estará pronto para te ouvir e fazer valer tudo o que foi escrito até aqui. Sinta o abraço DELE, sinta SEU carinho, sinta SUA atenção... ELE sempre estará ali e contigo!

PARTICIPE RADIALISTA COMUNITÁRIO.


DEZ ANOS DEPOIS O LUCRO CONTINUA


"A guerra é um crime... facilmente, o mais rentável, certamente, o mais cruel ... É o único em que os lucros são contados em dólares e as perdas em vidas .... Ela é conduzida para o benefício dos poucos, à custa dos muitos..... eu passei a maior parte do meu tempo como um “ defensor de alta classe” para os Grandes Negócios, para Wall Street e para os banqueiros. Em suma, eu era um gângster, um gangster para o capitalismo. "( Major General Butler)

Dez anos depois, está claro que a estratégia do presidente George W. Bush fracassou: os EUA e seus aliados não conseguiram alcançar os objetivos anunciados e as consequências da operação militar foram desastrosas, seja do ponto de vista moral, econômico ou militar. Mas o que o discurso sobre a derrota dos EUA não revela é que essa guerra foi e continua sendo uma grande vitória para alguns.

UMA ELITE INCULTA, EGOÍSTA E VIL

Danuza Leão da Folha de São Paulo

Há um setor da sociedade que simplesmente não consegue enxergar e aceitar o processo civilizatório em que o Brasil mergulhou após os seguidos desastres administrativos, econômicos e sociais que governos medíocres, vendidos e ladrões lhe impuseram até 2002.
Talvez o mais eloquente símbolo do processo civilizatório em curso no Brasil seja estar se tornando raro famílias de classes média e alta terem “empregadas domésticas” que trabalhem de sol a sol por ninharias que não pagam refeição em um bom restaurante.
Agora, após séculos de verdadeira escravidão a que mulheres e até meninas pobres se submeteram trabalhando nessas condições para famílias de classe social superior, o Congresso criou vergonha e estendeu aos trabalhadores domésticos os direitos de todos os outros.
Um dos muitos avanços sociais para a maioria empobrecida do nosso povo que os governos Lula e Dilma vêm proporcionando está na raiz do ódio que a elite tem deles, pois acabou a moleza de madames como a colunista da Folha de São Paulo Danusa Leão terem escravas.
Eis que a socialite-colunista, que já andou vertendo seu ódio de classe devido à conquista dos aeroportos e viagens internacionais pelas classes “inferiores”, agora se revolta com os direitos trabalhistas serem estendidos também às “domésticas”.
Para tanto, como bem anotou o site Brasil 247, a socialite-colunista se valeu dos “argumentos” que há mais de século os escravocratas brasileiros usaram para manter este país como o único em que persistia a escravidão de negros.
Os escravocratas diziam que se os negros fossem libertados, seriam os principais prejudicados porque não conseguiriam se sustentar sem a “proteção” do senhor de escravos.
Agora, uma centena e tanto de anos depois, a colunista da Folha diz que dar direitos trabalhistas a domésticas seria ruim para elas porque, dessa forma, não conseguirão emprego.
Essa mulher é colunista do dito “maior jornal do país”. Espanta como alguém tão desinformada pode ter espaço em um veículo de projeção nacional para provar por escrito sua ignorância desumana.
Danusa é o retrato de uma elitezinha minúscula, iletrada, desinformada, egoísta, racista, sonegadora e pervertida. Leia a sua diarreia mental na Folha deste domingo. Prossigo a seguir.

sexta-feira, 22 de março de 2013

JUSTIÇA SEQUESTRA 100 MILHÕES EM BENS DE CARLINHOS CACHOEIRA


carlinhos-cachoeira_andressa-mendonca 
Justiça Federal em Goiás decretou o sequestro de mais de R$ 100 milhões em bens registrados em nome do grupo do contraventor Carlinhos Cachoeira. O objetivo é reaver produtos resultantes da atuação criminosa da quadrilha, que explorava ilegalmente jogos de azar no Distrito Federal e em Goiás.
A determinação do sequestro de bens saiu neste mês, após intervenção do Ministério Público. Os procuradores haviam recorrido da decisão que, no final do ano passado, condenou Cachoeira e seu grupo por formação de quadrilha armada, corrupção ativa, peculato e violação de sigilo de servidores públicos.
De acordo com o Ministério Público, a decisão não havia deixado claros os efeitos financeiros das condenações. O órgão alega que, embora ainda esteja apurando o valor total dos bens adquiridos pela quadrilha, o sequestro de bens servirá para quitar parte da dívida.
Na revisão da sentença condenatória, o juiz federal substituto Daniel Guerra Alves fixou multa de R$ 156 mil para pagar gastos do Estado com operações especiais voltadas a inibir a atuação do grupo criminoso.

O GOVERNO DO 1%, PELO 1%, PARA 1%

Ajuntamentos de barracas nos Estados Unidos: símbolo do crescimento da pobreza
Ajuntamentos de barracas nos Estados Unidos:
símbolo do crescimento da pobreza
 

Não adianta fingir que não aconteceu nada porque de fato aconteceu. O 1% mais rico dos americanos tem agora quase um quarto da renda anual do país. Em termos de riqueza, o 1% controla 40 por cento. Sua vida tem melhorado consideravelmente. Vinte e cinco anos atrás, os números correspondentes eram 12 e 33. Uma resposta a isso poderia ser celebrar a criatividade esforçada que trouxe boa sorte para essas pessoas, e afirmar que a maré crescente  acaba elevando todos os barcos. Seria um equívoco.
Enquanto o 1% viu os seus rendimentos aumentarem 18 % na última década, aqueles que estão no meio da pirâmide viram a sua renda cair. Para os homens com apenas ensino médio, o declínio tem sido intenso – 12 %  apenas no último quarto de século. Todo o crescimento nas últimas décadas, e muito mais, foi para aqueles no topo. Em termos de igualdade social, os Estados Unidos perdem de qualquer país da “velha, ossificada” Europa, para usar uma expressão usada pelo presidente George W. Bush para ridicularizar os europeus. Competimos em desigualdade com a Rússia com seus oligarcas e o Irã.
Muitos dos antigos centros de desigualdade da América Latina, como o Brasil, têm se esforçado nos últimos anos, com sucesso, para melhorar a situação dos pobres e reduzir as disparidades de renda. Mas os Estados Unidos têm permitido que a desigualdade de cresça.
Uma pequena elite de 1% tem as melhores casas, as melhores escolas, os melhores médicos, mas há uma coisa que o dinheiro não parece ter comprado: a compreensão de que seu destino está ligado com o dos outros 99%. Ao longo da história, isso é algo que o 1 % costuma tardar a aprender. Em geral, aprende tarde demais.

quinta-feira, 21 de março de 2013

JUÍZES E ADVOGADOS REBATEM ACUSAÇÃO DE JOAQUIM BARBOSA E LEMBRAM QUE SUA NAMORADA É ADVOGADA.


joaquim_barbosa
A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) também decidiu ser dura na crítica ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, para rebater a acusação de “conluio” entre juízes e advogados feita pelo ministro em sessão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Para o presidente da Ajufe, Nino Oliveira Toldo, Barbosa exagerou na afirmação e fez uma generalização a partir de um único caso.
- A imprensa divulgou que o ministro tem uma namorada advogada. Como é que fica isso? – questiona Toldo.
O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Marcus Vinicius Furtado, disse que até “amantes” precisam ser punidas em casos de “relações promíscuas” entre juízes e advogados.
- A ouvidoria da OAB está à disposição do ministro Joaquim Barbosa e de quem quer que seja para denunciar casos de lobby envolvendo advogados. A Ordem é contra qualquer tipo de relações promíscuas e tem seu Código Ético Disciplinar para ser aplicado nesses caso, não importa quem seja: advogados, filhos de advogados, parentes e até amantes – afirma o presidente da OAB, em resposta encaminhada por sua assessoria.
A Secretaria de Comunicação Social do STF disse que Barbosa não comentaria as declarações com referência à sua namorada.
Para o presidente da Ajufe, a generalização é um “equívoco” e uma “injustiça”.
- Os juízes se formam em faculdades de Direito e ali fazem amizade para a vida toda. Outra coisa: mandar jornalista chafurdar no lixo também não é um exagero? – questiona Toldo, em referência ao episódio em que Barbosa se irritou com um repórter do jornal “O Estado de São Paulo” e o mandou “chafurdar no lixo”. No mesmo dia, o ministro se desculpou.
Entidades dos magistrados estão em rota de colisão com o presidente do STF. A Ajufe, a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) divulgaram uma nota, no último dia 2, para rebater uma outra crítica: a jornais estrangeiros, o ministro disse que os juízes brasileiros têm mentalidade “pró-impunididade”.

MÍDIA É REGULADA NA INGLATERRA POR PARTIDOS E GOVERNO.


jornais ingleses  Governo e partidos regulam a mídia. Na Inglaterra
Por aqui, não se pode nem tocar no assunto que os bate-paus da liberdade de imprensa deles (só para os barões da mídia) já saem logo correndo e gritando "fogo na floresta!", "censura!", "controle social!".
Pois, vejam só, lá na nossa velha Inglaterra a coisa funciona um pouco diferente.
Depois de quatro meses de debates, e de passar o último fim de semana acertando os últimos detalhes com os líderes dos três principais partidos do país, o primeiro-ministro britânico David Cameron anunciou nesta segunda-feira a criação de um novo orgão para a regulação da mídia, que prevê multas de até R$ 3 milhões para quem pisar na bola e não se retratar dos seus abusos.
Acabou a terra de ninguém dos Murdoch da vida, que por aqui sobrevive firme e forte, enquanto dormem no Congresso e no governo projetos destinados a criar marcos regulatórios do setor de comunicações.
O novo sistema adotado pela Inglaterra prevê a instalação de um orgão regulador independente, código de normas bastante rígido, serviço de arbitragem livre, direito de resposta e pedido de desculpas. A adesão dos veículos é voluntária, mas quem repetir algo como o uso de grampos ilegais, a exemplo do que aconteceu no escândalo do tablóide "News of the World", do magnata  Rudolf Murdoch, que levou a denúncias contra outros veículos, será mais severamente punido.
"É certo que vamos colocar em prática um novo sistema de regulação de imprensa para garantir que esses atos terríveis nunca possam acontecer novamente. Devemos fazer isso rapidamente", afirmou o primeiro-ministro Cameron.
Quem mais bufou contra a regulamentação? O tabloíde "Sun", que citou até Churchill em defesa da liberdade de imprensa absoluta, "guardiã dos homens livres", "inimiga mais perigosa da tirania", na mesma linha das manifestações do Instituto Millenium e da SIP (Sociedade Interamenricana de imprensa), para quem a regulamentação da mídia é coisa de ditaduras atrasadas.
E de quem é o "Sun"? Do mesmo Rudolf Murdoch, que se viu obrigado a fechar o "News of the World" e acabou sendo o principal responsável pela criação do novo sistema, em substituição ao PCC (Press Complaints Comission), o antigo orgão autorregulador que não sobreviveu ao mais poderoso barão da imprensa mundial.

quarta-feira, 20 de março de 2013

NOS ESCOMBROS APARECEM TESOUROS

Este título me faz lembrar uma história muito singular ocorrida num pequeno vilarejo onde os moradores, além de pobres e abandonados, viviam em permanentes conflitos entre vizinhos. As lideranças, inclusive o padre, tentavam aproximar as pessoas para a reconciliação e o diálogo, mas não conseguiam obter qualquer resultado. O empobrecimento ia deixando a localidade num abandono total. 
Num determinado dia, a pequena população foi surpreendida por uma notícia mirabolante. Chegou à praça um ancião desconhecido e se pôs a falar de um determinado poço profundo, situado num canto da vila, onde estaria um tesouro de inestimável valor. Como o assunto despertasse atenção e interesse da população, logo começaram as especulações para conhecer o local e encontrar um jeito para se apropriar do tesouro.
Como tudo era cercado de mistério, começaram as tratativas da comunidade para retirar o tesouro do fundo do poço. Enquanto iam combinando a aventura, iam parando de brigar. O único assunto da vila era o tesouro do poço. Enfim, surgiu uma liderança que definiu a modalidade da pesca. Com uma longa corda e ganchos fortes numa extremidade começaram a operação. Depois de muitas tentativas, um grande grupo na outra extremidade ia se empenhando para alcançar o tesouro.
No primeiro dia nenhuma novidade, no segundo dia, a vila toda estava reunida. Uns trabalhando na ponta da corda e outros torcendo para que tudo desse certo. Finalmente os ganchos prenderam um objeto pesado e estranho. Mais gente ia se unindo na ponta da corda, a ansiedade aumentava e a captura do tesouro estava garantida. Porém quando chegou ao alcance das mãos conferiram que se tratava da carcaça esmagada de um carro antigo.
Diante do evidente fracasso, todos sentaram desiludidos. Foi então que o líder da operação gritou: “Gente, o tesouro está no outro lado da corda!” Qual seria? Certamente, a união da comunidade que, em seguida, tomou outro rumo em todos os sentidos, reabilitando a paz e o verdadeiro progresso.
A madrugada do dia 27 de janeiro de 2013 registrou a inesquecível tragédia no coração do Rio Grande. O mundo todo sentiu-se atingido pela dor nos 241 jovens vitimados pelo incêndio da boate Kiss. Na medida em que o tempo passa, vão aparecendo os tesouros situados no meio dos escombros. 
Com evidência podemos nomear alguns tesouros: o enfrentamento heroico de alguns até morrer para salvar outras vidas; os gestos de solidariedade expressos na acolhida, no socorro, na doação de sangue, na garantia de remédios, na prontidão de profissionais da saúde, nas orações e concentrações ecumênicas, no gesto materno da presidente da República etc...
São tantos os tesouros que surgiram no meio dos escombros que só o tempo poderá valorizar com justeza. Depois de alguns dias do trágico acontecimento, familiares e parentes das vítimas reuniram-se para discutir a criação de uma associação que represente seus interesses humanitários. O objetivo do grupo, apoiado pela defensoria pública do Rio Grande do Sul, é garantir apoio psicológico e jurídico às famílias. No outro lado da corda está o tesouro!

HÁLITO DENUNCIA TUMOR NO ESTÔMAGO


Um exame de hálito simples e rápido pode diagnosticar um câncer no estômago, segundo estudo realizado por israelenses e chineses. Em um levantamento com 130 pacientes, os pesquisadores descobriram que o exame tinha 90% de precisão no diagnóstico e na diferenciação do câncer de outros problemas.
O novo teste tenta detectar perfis químicos no hálito que são característicos de pacientes com câncer no estômago. Hoje, o diagnóstico da doença pode ser feito por meio de uma endoscopia. Para os especialistas, qualquer exame que ajude a diagnosticar cânceres mais cedo faz a diferença.

O VILÃO DAS QUEIMADURAS



Um milhão de pessoas por ano são vítimas de queimaduras no Brasil. Destas, dois terços são crianças, segundo a Sociedade Brasileira de Queimaduras (SBQ). Em crianças de até seis anos, a principal causa desse tipo de acidente é o contato com água fervente. Após essa idade, são as substâncias inflamáveis, como o álcool líquido, as maiores responsáveis por queimaduras. Acidentes com o álcool líquido causam 45 mil casos de queimaduras em crianças a cada ano no Brasil, conforme a SBQ.

Com o objetivo de reduzir o número de acidentes com esse produto, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu recentemente a fabricação, distribuição e venda de álcool líquido com graduação acima de 54º GL. Porém, ainda há recursos pendentes dos fabricantes aguardando julgamento. Mesmo assim, a agência garante que a proibição está valendo.
Na tentativa de manter a decisão da Anvisa, mais de 17 entidades civis, entre elas a SBQ e a Ong Criança Segura, permanecem em campanha, conscientizando consumidores e sensibilizando o Judiciário.
Há dez anos, uma resolução da Anvisa já havia determinado a substituição do álcool líquido pela versão em gel. Mas uma liminar concedida à Associação Brasileira dos Produtores e Envasadores de Álcool (Abraspea), no mesmo ano, permitiu que as empresas continuassem comercializando o produto. Nos meses em que vigorou a resolução, o número de acidentes com álcool teria caído 60% e o número de internações hospitalares e a gravidade das queimaduras teriam reduzido 26%, segundo a SBQ. De acordo com uma pesquisa realizada pela associação de consumidores Proteste, em 2007, tanto o álcool líquido quanto em gel pegam fogo facilmente. A diferença é que em caso de fogo provocado pela versão em gel, as chamas não se espalham devido à sua viscosidade.
Em nenhum outro país do mundo o álcool é responsável por tantos acidentes. “Culturalmente, no Brasil, o produto é muito utilizado no ambiente doméstico, para limpeza ou acendimento de churrasqueiras e lareiras, e isso é um perigo”, afirma Mauricio Pereima, diretor científico da Sociedade Brasileira de Queimaduras. “Esse tipo de queimadura provoca lesões de terceiro grau, que formam cicatrizes funcionais e estéticas permanentes”, completa.
A queimadura de terceiro grau destrói todas as camadas da pele e causa danos graves. O tratamento é demorado e doloroso. Geralmente, requer várias cirurgias, fisioterapia e suporte psicológico. As crianças são mais vulneráveis porque têm a pele mais fina que os adultos; queimam-se a temperaturas mais baixas, sendo que as lesões atingem maior profundidade e maior superfície do corpo.
O álcool não tem nenhum poder bactericida e pode perfeitamente ser substituído por outros produtos de limpeza. Para churrasqueiras e lareiras há acendedores próprios no mercado, que não oferecem tanto risco

TODOS TEMOS O DEVER DE CUIDAR.



Qual criança não gosta de brincar com água? Seja na piscina, no mar, no rio, no banho ou até no quintal de casa, com uma mangueira ou bacia, água é diversão garantida para a garotada. O problema é que água não é brinquedo e o desperdício custa caro. Cerca de 97% da água que existe no planeta é salgada. Do restante, 2% estão congelados e somente 1% encontra-se disponível para nada menos que 7 bilhões de pessoas, população atual da Terra. O resultado desse cenário é que nem todo mundo tem acesso à água. 
Segundo a Organização Mundial da Saúde, a falta d’água já afeta o Oriente Médio, a China, a Índia e o norte da África. Se nada mudar, até o ano 2050, estima-se que 50 países enfrentarão crise no abastecimento de água. Isso envolve bilhões de pessoas.
O Brasil é privilegiado em termos de recursos hídricos, pois detém 20% de toda a água doce superficial do planeta. A maior parte desse volume (80%) localiza-se na Amazônia. Além disso, 70% do Aquífero Guarani, uma das maiores reservas de água subterrânea do mundo, que se estende por 1,2 milhão de km2, encontra-se em território brasileiro.
Toda essa riqueza costuma provocar, no inconsciente coletivo, uma falsa impressão de que a água é inesgotável. O povo brasileiro figura entre os que mais desperdiçam o recurso no mundo. Deve ser justamente o contrário; com fontes tão preciosas, tornamo-nos ainda mais responsáveis por sua preservação.

APENAS 10,3% SABEM MATEMÁTICA


O aprendizado é um dos pontos mais preocupantes. Os alunos do ensino médio são os que apresentam maior defasagem. Menos de um terço, 29,2%, dos estudantes conhecem a língua portuguesa da forma adequada ao período de estudo e apenas 10,3% sabem matemática proporcionalmente ao ano de ensino. No Rio Grande do Sul, por exemplo, 14,1% aprenderam o indicado em matemática, para uma meta de 29,5%. 
“No ensino médio observamos descolamento enorme. Para melhorar essa fase do ensino, é preciso melhorar todo o sistema de educação. A defasagem vem desde a educação infantil e vai se acentuando”, declara Priscila Cruz, da Educação para Todos.
Há outros problemas. De acordo com o relatório, “diversos estudos vêm evidenciando o efeito perverso de sucessivas repetências na motivação do aluno; quanto mais defasado ele se encontra, menor será sua chance de concluir os estudos.” Consta também no relatório que para que a meta seja cumprida, “problemas como as altas taxas de repetência, a evasão escolar e a distorção idade-série precisam ser enfrentados pelos sistemas públicos de ensino.”

A SOLUÇÃO: REFORMA.

O drama pessoal e coletivo dos profetas, porta-vozes, missionários, padres e pastores que anunciam e divulgam Jesus é que não conseguem ser quem pretendem ser o tempo todo. Há momentos em que o pregador esquece que é pregador e acaba derrubado pela vaidade, pelo excesso de autoexposição, pela ênfase no dinheiro, pelo sexo, pela cervejinha além da conta, pela opinião apressada e não pensada.
Como Igrejas não são para anjos nem de anjos, também seus líderes e porta-vozes não o são. Carregam o tesouro da mensagem cristã em vasos de barro, que são eles mesmos. Isso explica os graves desvios e deslizes, história adentro, de cardeais, papas, bispos, padres, pastores, fundadores de Igrejas e movimentos dos quais temos notícia no passado e no presente. 
É bem mais fácil e bem menos desafiador falar de maneira entusiasmada e convincente sobre Jesus do que viver como Jesus viveu.
A dor das Igrejas foi, é e será a incoerência dos seus pregadores e dos seus fiéis. Gostamos mais do Cristo que nos convém do que do Cristo que nos vem. E é por isso que toda e qualquer Igreja que se proclamar cristã terá que ser uma Igreja humilde, sábia, penitente.

TEM PIMENTA NOVA NO MERCADO

Na busca de temperos na Índia, os navegadores europeus acabaram descobrindo a América e a pimenta. Esse fato demonstra a importância desse tempero na economia e na história do mundo. No Brasil, encontra-se em franca expansão comercial. “O brasileiro come 130 gramas de hortaliças por dia, incluindo a pimenta, mas o ideal seriam 400 gramas diárias”, observa o engenheiro agrônomo Luis Eduardo Rodrigues.
O aumento na demanda também está fazendo com que o brasileiro descubra novas variedades. Das mais diversas cores, formatos e pungências, as pimentas despertam o paladar. “Essa hortaliça melhora o sistema circulatório, melhora a digestão e regula a pressão sanguinea”, destaca Rodrigues.
Para atrair o consumidor, a Isla Sementes, sediada em Porto Alegre, está lançando três variedades híbridas (leia abaixo). “As pimentas, no geral, podem ser plantadas na saída do inverno. No RS, o cultivo dura oito meses, principalmente em ambiente protegido”, relata o agrônomo.

Características - A Isla agrega ao seu catálogo as híbridas hot suprema, chocolate e ibiúna. São três lançamentos exclusivos. Todas apresentam germinação de 7 a 14 dias e produção em 90 dias. Devem ser plantadas em solos férteis e bem drenados. Os três lançamentos são da espécie Capsicum annuum.
A principal característica da suprema está no nome hot, ou seja, quente, o que na cultura das pimentas significa muito picante. Além da picância, se destaca pelo sabor cítrico. Ela pode ser consumida in natura e em molhos e, quando seca, mantém a coloração. Os frutos são de tamanho médio a grande com a polpa espessa. Também chama a atenção a intensidade da cor laranja nos frutos, típica da cenoura. 
A chocolate leva no nome suas características: a coloração marrom quando madura e a picância. Os frutos são de tamanho médio e longos, com paredes grossas. A pungência vai aumentando juntamente com a mudança de cor. A variedade é própria para ser consumida recheada. Os frutos atingem, em média 13cm x 6cm. 
A ibiúna é do tipo jalapenho (origem mexicana), porém, apresenta formato mais largo e mais curto que os demais cultivares desse grupo. De coloração que vai do verdelimão, passando pelo amarelo até atingir o vermelho, quando madura, é um excelente produto tanto para venda in natura como para a indústria de conservas e doces.

MILHÕES CONDENADOS A UM FUTURO INCERTO.

Uma criança sem escola já deveria ser motivo de preocupação de políticos e cidadãos conscientes de um país. Em especial se a causa desta exclusão fosse a falta de vagas na rede de ensino. O relatório De Olho nas Metas, elaborado pelo movimento Todos pela Educação (TPE) e divulgado na semana passada, revela que há 3,6 milhões de crianças e jovens brasileiros, na faixa etária de 4 a 17 anos, fora da escola. 
A esse dado juntam-se pelo menos outros dois, igualmente negativos. O primeiro se refere ao desempenho dos alunos do ensino médio, que está muito abaixo do nível apropriado – menos de um terço conhecem a língua portuguesa e apenas 10,3% sabem matemática em grau compatível ao período de estudo. Outro: somente 51% dos estudantes concluíram o ensino médio na idade adequada.
Os números permitem concluir que a maioria das crianças brasileiras está fora da escola ou não consegue obter o aprendizado necessário para uma boa formação. Pessimismo? Mas não muito distante da realidade.
É preciso reconhecer avanços nesta área. A educação vem recebendo, nos últimos 15 anos, investimentos expressivos. Porém, as estatísticas comprovam que não têm sido suficientes.
Estudo e projeção do TPE mostram que, para atingir a meta de até 2022 ter 98% ou mais dos jovens e crianças entre 4 e 17 anos matriculados e frequentando a sala de aula, o Brasil precisava em 2011, ano do levantamento, que 94,1% da sua população dentro desta faixa etária estivesse na escola. O número atual corresponde a 92%, ou seja, há um atraso de dois anos.
No cenário atual, em que mesmo os jovens bem preparados encontram dificuldade para obter emprego e sucesso profissional, cada criança fora da escola é um futuro adulto condenado a um mundo de incertezas, ao subemprego ou à marginalização total. Infelizmente, há pelo menos 3,6 milhões de brasileiros recebendo essa sentença.

terça-feira, 19 de março de 2013

PROCURA-SE O "CAPRILES NIETO" DO BRASIL

 A restauração conservadora  fareja frestas e flancos para romper o colar de governos de centro-esquerda que, nos últimos dez anos,estendeu  suas contas formando um cinturão de políticas progressistas no interior da América Latina. O ressurgimento conservador não reflete apenas a gula pessoal por  poder. A América Latina progressista  debate-se para erguer os pilares de um ciclo de investimento, num ambiente internacional que deixou de favorece-lo. É nessa corrida contra o tempo que afloram os Enriques Peña Nieto, os Henriques Capriles, os Aécios e Eduardos Campos. Não são feitos da mesma argila, sublinhe-se. Mas se prestam como gargantas do mesmo sopro, sendo notável a semelhança entre o que dizem e o que prometem. A campanha sucessório  instalou seu pé de palanque ostensivo no noticiário econômico. Não cabe mais ilusão: cozinha-se o governo no banho-maria do desgaste capcioso. Ademais dos esforços  para atrair investidores  aos projetos prioritários, o governo e as forças que o sustentam só renovarão a confiança da sociedade na sua liderança se, de fato, se mostrarem capazes de exercê-la. Ou um  ‘Capriles Nieto' virá ocupar a vaga, como porta-voz do futuro brasileiro.

segunda-feira, 18 de março de 2013

SOMOS COLOCADOS NO MUNDO COMO PEDREIROS


Quantas vezes, ao fazer uma retrospectiva (e nem precisamos olhar muito para trás), vemos que as coisas não saíram exatamente como planejado, do jeito que almejamos.
Isso é muito comum. Comum, porque geralmente não calculamos variáveis externas, e muitas vezes não tomamos as medidas corretas, dia após dia, para alcançarmos esse objetivo.
Esse é um grande mal enraizado na vida de muitos.  Muitos sonham, vislumbram, acreditam e até enxergam lindas conquistas, sem se dar conta que a construção do futuro se dá com um bom alicerce no presente e com tijolo a tijolo, colocados a cada dia.
Somos colocados no mundo quais “pedreiros”.
Precisamos, portanto, realizar a manutenção de nossas ferramentas cuidando para que estejam em condições de nos atender nessa edificação:
- O esquadro da retidão, do caráter, da disciplina e do bom senso. O esquadro que liga o terrestre ao espiritual (horizontal com o vertical), cuidando para que todas as nossas ações se dêem como ELE faria;
- O prumo do equilíbrio, que não nos permite deixar levar pelas emoções ou pela excessiva razão. Um prumo que sirva de alerta para quando não estamos agindo de acordo, em retidão.
- O martelo ou marreta para tirar as camadas desnecessárias, para quebrar paradigmas, para derrubar muros que se coloquem à frente tentando obstruir o caminho. Um martelo que ajuda a dar forma à uma pedra bruta, amolecendo nosso coração e nos tornando flexíveis.
- A trolha, ou colher de pedreiro, que serve para pegar a “massa divina” composta por amor, sabedoria, força, justiça, etc. e revestir nossas paredes, tampar nossas brechas, fortalecer nossa estrutura. E que também alisa a massa colocada, tirando todas e quaisquer arestas ou ondulações. Que torna nossos relacionamentos ainda mais afetuosos, nossa modo de agir ainda mais cativante.
- O compasso que não só nos permite enxergar numa visão de 360°, como a ver o mundo nesse mesmo ângulo. Um compasso que nos faz envolver plenamente com o Espírito de DEUS. Que nos faz ser a forma perfeita de SUA criação.

SOMOS SERES QUE METAMORFOSEIAM


Somos seres metamórficos, dotados da mais ampla variedade de habilidades, virtudes e dons.
Somos seres que se “metamorfoseiam” continuamente. Uns, mantendo-se onde estão ou em escala regressiva. Outros, em plena e consciente evolução.
Por que você tem de ser do mesmo jeito? Por que tem de usar sempre as mesmas palavras? Por que tem de agir sempre da mesma forma? Por que tem de responder sempre da mesma maneira? Por que tem de duvidar sempre de determinada pessoa ou situação? Por que tem de querer demonstrar o que não é? Por que tem de coibir as suas vontades? Por que tem de ter medo de expressar o que há em teu coração? Por que tem de aceitar as coisas como são ou estão? Por quê? Por quê?
Você pode mudar positivamente o teu estado. Você pode mudar satisfatoriamente você. Você pode mudar significativamente a tua vida. Ascendentemente.
Basta ter a vontade plena e a flexibilidade necessária.
Vontade plena, pois a mudança requer um desejo profundo nutrido das mais sábias virtudes. É necessário empenho, dedicação e um pensamento para lá de positivo.
Flexibilidade necessária, pois a mudança vai tornar obrigatória, muitas vezes, uma mudança de pensamento, uma quebra de paradigmas ou até o reconhecimento de seus erros ou pontos a se melhorar. E melhorar.
E em toda a tua caminhada evolutiva, fique tranqüilo(a) pois você passará por  diferentes estágios de uma linda metamorfose que te levará a ser um ser nos moldes do que ELE desenhou.
Vamos lá! Você está no caminho...


COMO DIRIGIR COM SABEDORIA AS NOSSAS DIFERENÇAS.


Contendas, brigas, discussões. É comum, de forma direta ou indireta, sermos afetados ou estarmos envolvidos nelas. Todavia, também é comum, darmos a elas, atenção ou dimensões maiores do que realmente necessitam. Se necessitam.
Obviamente, visões e opiniões diferentes, além de demais diferenças, podem originá-las, o que é até algo natural. O problema está na condução e nos resultados obtidos. Quando levados a um objetivo comum, visando interesses mútuos ou coletivos, onde se objetiva o crescimento, o melhoramento ou a evolução, podem ser muito produtivos. Se agirmos com sabedoria.
As discussões podem surgir em função de um relacionamento que precisa ser ajustado, de um projeto na empresa, de um planejamento familiar, de uma polêmica envolvendo um assunto comum, de pontos de vistas diferentes e outros tantos motivos. No entanto, quando somos levados por um sentimento egoísta, querendo simplesmente levar a vantagem e impor nossa razão, a discussão pode trazer resultados catastróficos. Além do mais, é necessária extrema sabedoria para saber quando entrar, continuar ou sair de uma discussão. Porém, uma coisa é certa: se a discussão está sendo conduzida a extremos, onde há alteração de voz e comportamento, ironias, sarcasmos e coisas a fim, é tolice continuarmos. Já dizia um provérbio do Rei Salomão: "Uma palavra branda faz recuar o furor". Não adianta querer competir em quem fala mais alto, pois a próxima etapa será "quem ofende mais" o outro. Mantenha a serenidade. Respire fundo. Conte até dez. Volte ao assunto, mas quando o ambiente estiver propício para isso.
Torne tuas discussões construtivas. Esteja receptivo a críticas. Seja flexível. Mostre-se sensato. Mantenha o foco na melhoria comum e contínua. Exercite isso.

CAMPANHA ANTITABAGISTA NO CANADÁ. COMPARA FUMAR OCASIONALMENTE A "PEIDAR SOCIALMENTE"


 agência de publicidade BBDO Toronto criou para o Ministério da Saúde de Ontário uma campanha original contra o cigarro. Alguns personagens curtem peidar socialmente, como forma de se conectar a outras pessoas.
A flatulante metáfora é utilizada para chamar a atenção para os fumantes ocasionais, que só fazem isso “socialmente”. E não para por aí: depois de comparar o fumo ao peido, a campanha também mostrou que filar um cigarro de um amigo de vez em quando é tão ruim quanto sair beliscando por aí, pegando comida do prato dos outros.

GREVE DE FOME PÕE EM RISCO VIDA DE PRESOS EM GUANTANAMO


Quarenta e cinco advogados de presos de Guantánamo escreveram ao chefe do Pentágono, Chuck Hagel, para alertá-lo sobre uma greve de fome “massiva” na prisão. Ela constitui uma “séria ameaça para a saúde e a vida dos prisioneiros.”
Numa carta divulgada pela agência noticiosa AFP, os 45 signatários evocam uma mensagem enviada por 12 deles ao comandante da prisão, da qual afirmam não ter obtido resposta.
Por essa razão, apelam ao secretário da Defesa, que, quando senador republicano, defendeu em 2005 que a polémica prisão era uma das razões pelas quais os Estados Unidos haviam perdido “a guerra da imagem no mundo”.
Os advogados afirmam que “a maioria dos homens no campo 6, que tem o maior número de presos de Guantánamo (166) está em greve de fome desde 6 de fevereiro”.

quinta-feira, 14 de março de 2013

FUMAÇA BRANCA E FUMAÇA SOMBRIA


O cardeal argentino Jorge Mario Bergoglio foi escolhido Papa e terá o nome de Francisco. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (13) na Cidade do Vaticano. Arcebispo de Buenos Aires, ele não era considerado um dos favoritos. É o primeiro papa latino-americano e o primeiro jesuíta da história a assumir o posto.

Segundo reportagem publicada por Martín Granovsky na Carta Maior, Bergoglio é um homem de posições conservadoras. Na Argentina, é 'inimigo' do outro cardeal argentino presente no conclave, Leonardo Sandri.

Justo Laguna, bispo de Morón falecido em 2011, contava que depois da morte de João Paulo II, quando seu sucessor estava sendo eleito, Sandri lhe disse: “É melhor rezar para São José para que este não seja papa”. Ele se referia a Bergoglio.

Ainda conforme o relato de Granovsky, jornalista do diário argentino 'Página 12', Bergoglio vive em conflito há anos com o governo Kirchner, desde que o então presidente Néstor não o escolheu como interlocutor privilegiado para as decisões de Estado. De posições conservadoras, Bergoglio é contrário à legalização do abordo e ao matrimônio igualitário.

Outra reportagem publicada por Carta Maior, de Oscar Guisoni, informa que Bergoglio é um homem citado em vários processos judiciais por sua cumplicidade com a ditadura militar argentina (1976-1983), e que conseguiu evitar seu próprio julgamento por conta de influências e argúcias de advogados.

FRANCISCO I FAZ LEMBRAR PAULO I


892772 10151304070336638 1731708120 o 1024x682 Papa Francisco I me faz lembrar de João Paulo I
As primeiras imagens do cardeal argentino Jorge Mario Bergoglio, ao ser anunciado como papa Francisco I, na tarde desta quarta-feira, me fizeram lembrar do momento em que o mundo ficou conhecendo o cardeal vêneto Albino Luciani, o papa João Paulo I, que ficou apenas 33 dias no trono de São Pedro, em 1978.
Assim como aconteceu com Bergoglio, o nome de Luciani não constava das listas de apostas de Londres nem dos favoritos apontados pela imprensa.
Simpático, humilde, de fala fácil, cara boa, mais de pároco de aldeia do que de teólogo da Curia Romana, Francisco I em nada lembrava seu antecessor, Bento 16, assim como aconteceu com João Paulo I, eleito para o lugar de Paulo 6º.
Primeiro papa jesuíta, primeiro papa latino-americano, primeiro papa de nome Francisco, cardeal Bergoglio até parecia um pouco acanhado ao olhar para a multidão reunida à sua frente, bem no estilo de Luciani, que ficou conhecido como o "papa sorriso".
Em poucos minutos, porém, cativou as pessoas que acompanhavam as suas primeiras palavras no mundo todo, ao pedir que o povo orasse por ele, antes de dar a sua primeira benção.
Uma curiosidade: o novo papa foi anunciado às 20h13 minutos de Roma, no dia 13/3/2013, exatamente 30 dias após a renúncia de Bento 16.
Neste período, falou-se muito de ética, moral e política da igreja, entre uma e outra denúncia de corrupção,  pedofilia e disputa de poder na Cúria, e muito pouco de espiritualidade.
Pode ser que isso agora mude, a julgar pelas primeiras impressões deixadas por Francisco I, que prometeu se dedicar à evangelização, algo vital para uma igreja que a cada dia perde fiéis e credibilidade.
Aos 76 anos, o novo pontífice herda uma igreja em crise profunda, com um pacote de desafios pela frente, a começar pelo relatório das investigações solicitadas por Bento 16 a três cardeais da sua confiança sobre malfeitos diversos praticados por religiosos, que ficou trancado num cofre dos aposentos do papa.
A este tema explosivo, somam-se velhas questões da igreja como o celibato, a ordenação de mulheres, o aborto em casos extremos, o casamento entre pessoas do mesmo sexo, o planejamento familiar e o uso de anticoncepcionais, tabus que Bento 16 evitou sequer discutir nos seus oito anos de papado.
Não será fácil a vida de Francisco I, assim como não foi a do breve papado de de João Paulo I. Esperamos todos, católicos ou não, que o destino reserve ao papa argentino mais tempo para enfrentar tantos desafios e devolva a esperança a quem vinha perdendo a fé.

terça-feira, 12 de março de 2013

FAÇA A TUA REFLEXÃO E TIRE PROVEITO.



Talvez, poucos minutos atrás, você estava refletindo sobre a tua vida, sobre uma frase lida, sobre uma fala de alguém.

Realmente, quais seres evolutivos, sabemos a importância que deve exercer a reflexão em nossas vidas.

Não raro, nos deparamos deitados em nosso leito, ou sentados contemplando o céu, ou ainda andando e sentindo a natureza e... refletindo.

No âmbito escolar é muito comum o exercício da reflexão: seja numa interpretação de texto, seja na análise de uma poesia ou na apreciação de uma peça de arte, seja um quadro ou uma escultura.

No ambiente empresarial a reflexão também é muito exercida: na elaboração de um orçamento, na previsão do semestre ou ano seguinte, na análise de resultados, na confecção de uma planilha de investimentos, etc.

Mas, a reflexão de nada vale se não for conduzida à ação ou à tua evolução.

Agora, agindo com grande sinceridade, quantas coisas que você determinou fazer, quantas maneiras que se propôs a agir, que não ficaram de lado beirando o esquecimento? Muitas, não? Pois é... como quer evoluir se tua reflexão não deixa de ser mera reflexão?

Perceba que a palavra reflexão possui conceitos diferentes diante de diferentes áreas, matérias ou disciplinas, mas todas conduzem ao mesmo ponto: ação. Veja:

Na psicologia: virtude onde o pensamento se volta para si com o objetivo implícito e explícito de examinar seus elementos e combinações.

Na filosofia: atenção aplicada às operações do entendimento, aos fenômenos da consciência e às próprias idéias.

Na administração: Consideração atenta de um assunto. Cálculo, raciocínio. Aplicação do entendimento e da razão.

No dicionário: ato ou efeito de refletir, prudência, juízo, tino, pensamento sério. Meditação.

O que está esperando? Reflita e Ação!